A contradição do Mercado-Livre Socialista

 

 

O Partido Socialista(PS) sofre de uma contradição.

 

O PS defende, na teoria, o socialismo. Naturalmente, entendamos que isto significa um sistema internacionalista, em que a humanidade se auto-organiza e gere os recursos do planeta consoante as suas necessidades. Começando nos bairros, passando por concelhos de cidades (por aí em diante…) e chegando finalmente a concelhos mundiais, a humanidade regularia assim o fluxo de mercadorias em todo o mundo.

As posições sociais-democratas dos dirigentes do PS traem portanto, os princípios fundamentais da internacional socialista e do seu próprio partido.

 

Esta posição não é inocente nem irrelevante. A viragem à social-democracia foi feita porque o socialismo democrático é impossível, e consequentemente foi necessário aumentar a base eleitoral, abrangendo assim um público inculto politicamente, certo de que a social-democracia e o socialismo poderiam ir de mãos dadas até ao internacionalismo socialista.

 

A contradição surge aqui mesmo, quando se tenta advogar a social-democracia mantendo os princípios básicos do socialismo. Como é possível que a humanidade regule o fluxo mundial de mercadoria e ao mesmo tempo permita alguma parte do mercado livre? É um contra-senso que não é discutido no PS e é também uma questão teórica essencial, porque define qual é o objectivo económico a longo prazo do partido.

 

Esta falta de debate teórico levou também à crise interna que o PS irá enfrentar nos próximos tempos. É necessário que volte a existir uma discussão de ideias para além das conversas sobre os acontecimentos que se vão desencadeando. Um partido socialista forte é essencial para que haja um estado social estável que evolua para o socialismo. Mas não um partido que tente usar o populismo social-democrata para ganhar votos.

 

Os membros base do PS devem desafiar os seus dirigentes a colaborar com outros grupos e partidos, realmente de esquerda, e a voltar a pensar à esquerda em vez de cederem às soluções da direita.

 

As abstenções agressivas, Tratados Europeus e conversas sobre o Emprego mostram claramente uma falta de orientação e soluções para o problema económico. E nenhuma solução real vai ser encontrada enquanto os dirigentes do PS continuarem a alimentar a ilusão de que o socialismo social-democrata é possível.

 

 

 

André Menor

Estudante de Engenharia Mecânica

publicado por Frederico Aleixo às 18:11 | link do post | comentar